O papel da escola para a criança adotada

Quando uma criança é adotada, sempre passa por um processo de acompanhamento e uma primeira fase deve ser o estreitamento do vínculo com os seus novos pais. Esta etapa não é igual em todas as crianças, nem vai durar o mesmo tempo, já que depende da idade do seu filho, das condições em que se deram a adoção e a história prévia tanto da criança como dos pais.
Mas, para que a incorporação da criança à escola seja feita com êxito, o seu filho deve ter um vínculo afetivo estável e seguro com a sua nova família, por isso você não deve se importar que a incorporação à escola se atrase. Ela passará ficará em segundo plano. Qual a razão? 
A escolarização da criança adotada
Pense que o seu filho vem de uma ruptura, um abandono, uma mudança que ele ainda não entende muita coisa. Tudo isso gera uma insegurança. Começa a confiar em você, que é a sua figura de referência, e de repente o deixa na escola por 5 horas sozinho, com pessoas que ele não conhece. Para uma criança, 5 horas é muito tempo e pode ser que tão pouco ele compreenda o que está fazendo nesse lugar. 
Todas essas inseguranças, vão bloquear sua capacidade de aprendizagem porque vai estar assustado e pensando mais em como vai sobreviver, do que vão tratar de ensinar ali. Evite que o seu filho viva a escolarização como um novo abandono trabalhando uma incorporação progressiva, uma vez que tenha claro que sempre você voltará para buscá-lo para levá-lo para casa e que a sua professora e o pessoal do centro educacional é gente da sua confiança. 
Não importa se o seu filho tem que repetir o ano ao começar na escola 
Outro elemento muito importante de frente com a escolarização é que a criança se incorpore ao ano acadêmico que corresponda às suas capacidades e não à sua idade cronológica. Uma criança que é dada para adoção, quase sempre vai apresentar algum tipo de atraso em sua maturidade em comparação com os seus companheiros devido a que a alimentação e os primeiros cuidados, desde a gravidez, não foram adequados. Se, estes primeiros cuidados e a primeira estimulação não tenham sido corretos, o seu filho não vai contar com uma boa base para que continue bem nas aulas e aprender bem os conteúdos. 
Em certas ocasiões, surgem problemas de aprendizagem cuja causa você desconhece e que é fácil disfarçar ou confundir com falta de atenção, interesse ou de esforço, o que vai gerar muita frustração nos pais e na própria criança que acabará rejeitando tudo o que se refere à escola. 
A comunicação entre pais adotivos e a escola da criança 
É importante falar com a escola e com os professores (sem dar muitos detalhes) da situação peculiar do seu filho para que levem em conta, porque muitas vezes não sabem como agir. Uma criança é adotada pode responder muito positivamente ao reconhecimento do seu esforço e das suas conquistas, mas apresenta uma grande impaciência ao castigo. 
Suas necessidades emocionais que estiveram tão descuidadas na primeira etapa fazem com que o vínculo afetivo que se estabelece com o tutor seja chave para que a criança se interesse em continuar as aulas e aprender, já que a sua baixa autoestima faz com que tenha medo de enfrentar novos desafios e que eles se transformem em novos fracassos.

Ana María Linares
Psicóloga especializada adoções
Colaboradora de Guiainfantil.com