A REPERCUSSÃO DO ABANDONO AFETIVO NO DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

A criança abandonada pode apresentar deficiências no seu comportamento social e mental para o resto da vida. A dor da criança que esperava por um sentimento, ainda que mínimo, de amor ou atenção, pode gerar distúrbios de comportamento, de relacionamento social, problemas escolares, depressão, tristeza, baixa alto-estima, inclusive problemas de saúde, entre outros devidamente comprovados por estudos clínicos e psicológicos.
Vários são os estudos promovidos no sentido de comprovar os danos mentais e clínicos em menores negligenciados pelos pais. Nas palavras de Isabela Crispino, “Já é pacífico, entre as psicólogas e assistentes sociais, o entendimento de que criança abandonada pelos pais sofre de trauma e de ansiedade, que irá repercutir, diretamente, em suas futuras relações, fazendo-a perder sua confiança e autoestima”
O que percebemos nos estudos é que em muitos casos essa lacuna deixada pela ausência dos pais, ou de um deles, na maioria das vezes o pai, é preenchida por outras figuras presentes em sua vida. Os danos de ordem psíquica ou moral, vão depender de cada situação, da vulnerabilidade de cada um, da idade, da participação do outro genitor, bem como do ambiente em que vive, entre outros fatores.
Nas palavras de Gisele Groeninga, a ciência da psicanálise demonstra que quando há a falta de afeto, abandono ou rejeição, vez que a criança não encontra os modelos de identificação, ocorre a ameaça da integridade psíquica, cuja consequência é falhas no desenvolvimento da personalidade.
Segundo Melvin Lewis, um dos mais renomados professores de psiquiatria infantil, os pais como modelos e guias, possuem um papel de contribuir para o desenvolvimento de uma personalidade sadia, controlando seus impulsos e comportamentos, cuja ausência ou disfunção muitas vezes acarreta abalo na personalidade.
Estudos comprovam que a figura do pai é a responsável por transmitir limites ao filho, por ensinar a diferença entre o certo e o errado, introduzindo a criança de forma efetiva na sociedade.
Deve assim, não só a mãe endereçar a figura e autoridade do pai, como este, ocupar o seu devido lugar e assumir tal responsabilidade moral perante a criança.
Sempre lembramos que cada vítima do abandono reage de uma maneira, em vários casos, outras referências, tal como a própria figura materna, conseguem amenizar, ou até eliminar as as graves consequências do abandono sofrido.
(BICCA,Charles. ABANDONO AFETIVO. Pgs. 57/58. Editora OWL. 2015. www.owleditora.com.br)