Trabalho voluntário escrito pela Suzana enviada para o ANGAAD

O trabalho voluntário tem a sua especificidade. É uma opção pessoal de cada pessoa individualmente. A pessoa faz porque quer, porque gosta, porque acha importante. Se temos que cobrar as pessoas para fazer algo que deveria ser feito espontaneamente, deixa de ser voluntário! O que muitas pessoas esquecem é que a partir do momento que decidimos fazer, torna-se compromisso e responsabilidade! Muitas pessoas entendem que o trabalho voluntário deve ser feito no tempo que sobra após todas as outras coisas da vida... Ou seja, "farei quando tenho tempo ou se tenho tempo". Perspectiva incorreta! A partir do momento em que assumimos um trabalho voluntário, precisamos reservar tempo para fazê-lo. O tempo é uma questão de prioridade! Se não tenho tempo para determinada coisa é porque não é minha prioridade naquele momento. Aqui em casa, entendemos o nosso trabalho na adoção como missão de vida. Fazemos porque amamos fazer! E ponto final! Trabalhamos com alegria, com dedicação e com amor. Mesmo que ninguém mais queira fazer, vamos continuar fazendo. E, para isso, sacrificamos sem queixas e com satisfação outras coisas, garimpamos espaços inexistentes na agenda, fazemos malabarismos para atender todos os lados com o mesmo carinho e atenção. Não estamos focados nos fazeres ou não fazeres de nossos companheiros de viagem! Apenas seguimos fazendo do jeito que podemos, do jeito que sabemos e nas condições que temos! Se temos a companhia de outros viajantes é muito mais gostoso, mais prazeroso e mais proveitoso! Não economizamos esforços, palavras e exemplos para motivar caminhantes, mas, se não houver, seguimos mesmo assim. Não podemos desanimar se nossos companheiros de viagem tem outras perspectivas, necessidades ou prioridades. Não podemos deixar que o não investimento de outras pessoas corrompa a nossa fé e a nossa determinação! Se os outros não querem ou não podem fazer, não significa que eu deva entrar na mesma onda e também não faça. É preciso seguir, nem que seja um passinho de cada vez. Enquanto algumas pessoas ainda acreditarem no amor incondicional e que mudanças são possíveis através dele, o mundo não estará perdido. Ainda há esperança! Eu acredito!!! Avante!